- Destaque - Destaque Principal Três Lagoas

Taxistas e setor hoteleiro desfazem mal entendido, durante reunião na Câmara

Vereador Bazé vai solicitar reunião com o Executivo para discutir fiscalização contra clandestinos

Uma comissão de taxistas e um representante do Hotel Tokyo Inn se reuniram na Câmara Municipal, na manhã desta segunda-feira (13), para esclarecimentos de incidente ocorrido entre as partes, há alguns dias, no aeroporto Plínio Alarcon. Com intermediação do vereador Marcus Bazé, os dois lados concluíram que o mal entendido foi fruto da falta de informação e que é necessário fazer uma força-tarefa para proteger a atuação dos taxistas.“Podemos dizer que o mal entendido foi apagado, com a boa vontade de todos e os esclarecimentos feitos. Um problema não pode ser usado para crucificar a classe toda, apenas quem cometeu o ato deve ser responsabilizado”, afirmou Bazé.

Pelo que foi esclarecido por Marcos Antônio Gomes Júnior, representante do hotel, a administração municipal estava ciente que eles estariam fazendo translado de hóspedes, fato não comunicado aos taxistas e que culminou no desentendimento com um motorista do referido hotel.

Outro motivo de tensão, segundo apresentado pelos profissionais, é o alto índice de taxistas clandestinos competindo com eles, no município. De acordo com o presidente da Associação dos Taxistas de Três Lagoas, Valcídio Antônio de Queiroz, falta fiscalização e a concorrência é desleal, pois os regularizados tiveram que passar por processo seletivo e pagam taxas que os clandestinos não pagam.

Segundo cálculos da categoria, hoje, 51 taxistas estão regularizados e outros 60 estão irregulares. Além disso, pelo menos 15% dos moto-taxistas estariam circulando sem regularização, ou seja, clandestinamente.

O vereador Bazé se comprometeu a solicitar reunião com a prefeita Marcia Moura, sobretudo para reivindicar a fiscalização quanto aos clandestinos. “Vou levar a situação e vamos pedir fiscalização, a formação de uma força-tarefa para proteger os profissionais que receberam a concessão para atuar”, afirmou Bazé.

O representante do hotel ainda sinalizou, aos presentes, o interesse de auxiliar na promoção de palestras para capacitar os taxistas, visando prepará-los, ainda mais, para enfrentar possíveis concorrências com profissionais de fora que podem chegar à cidade para executar serviços individuais de transporte de passageiros.

Neste aspecto, Bazé ainda lembrou que a Câmara aprovou, recentemente, projeto de lei que proíbe o uso de aplicativos para organizar transporte de pessoas, como o Uber, mais uma medida para garantir o direito de trabalho da classe.

Na última sessão da Câmara, o mal entendido entre os taxistas e o setor hoteleiro foi um dos temas debatidos por parte dos vereadores. Entre eles, houve o consenso de que a falta de informações e má gestão do setor de trânsito poderia ter levado aos fatos.

 

Imprensa CMTLS