Três Lagoas

Sem negociação, empresários liberam BR-262 e estudam outro protesto contra a Petrobras

bloqueiobr2621

Reunião está marcada às 17h, na Associação Comercial de Três Lagoas

Aproximadamente 60 empresários de Três Lagoas (MS) interditaram, na manhã desta segunda-feira (19), o km 1,6 da BR-262 como forma de protesto contra o prejuízo de R$ 20 milhões causado pelo Consórcio UFN 3, responsável pela construção da fábrica de fertilizantes da Petrobras. Os empresários fecharam a rodovia no acesso SP/MS, não deixando ninguém passar. O protesto teve início às 5h desta segunda-feira (19) e terminou às 11h (horário de MS).

Os manifestantes, fornecedores que não receberam, atravessaram um caminhão na pista para bloquear o tráfego. O protesto tem como objetivo pressionar autoridades e as empresas envolvidas no caso para que paguem a dívida que soma R$ 20 milhões.

Segundo o comando do grupo que promoveu o protesto, várias reuniões foram feitas com a direção nacional da Petrobras, tentando que a estatal assuma as dívidas das empresas que compunham o Consórcio UFN3 – Galvão Engenharia e a chinesa Sinopec – e pague os fornecedores de serviços e equipamentos para que elas pudesse seguir com as obras da edificação da Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados (Fafen) em Três Lagoas, mas não houve resultado satisfatório.

Após decidirem pela liberação do tráfego na rodovia, que teve congestionamento de cerca de seis quilômetros em ambos os lados (SP e MS), os empresários resolveram marcar uma reunião, às 17h, na Associação Comercial e Industrial de Três Lagoas (ACITL), para averiguar a possibilidade de outro protesto, com paralisação de tráfego de veículos, em outro trecho de rodovia.

Aproximadamente 60 empresários de Três Lagoas (MS) interditaram, na manhã desta segunda-feira (19), o km 1,6 da BR-262 como forma de protesto contra o prejuízo de R$ 20 milhões causado pelo Consórcio UFN 3, responsável pela construção da fábrica de fertilizantes da Petrobras. Os empresários fecharam a rodovia no acesso SP/MS, não deixando ninguém passar. O protesto teve início às 5h desta segunda-feira (19) e terminou às 11h (horário de MS).

Os manifestantes, fornecedores que não receberam, atravessaram um caminhão na pista para bloquear o tráfego. O protesto tem como objetivo pressionar autoridades e as empresas envolvidas no caso para que paguem a dívida que soma R$ 20 milhões.

Segundo o comando do grupo que promoveu o protesto, várias reuniões foram feitas com a direção nacional da Petrobras, tentando que a estatal assuma as dívidas das empresas que compunham o Consórcio UFN3 – Galvão Engenharia e a chinesa Sinopec – e pague os fornecedores de serviços e equipamentos para que elas pudesse seguir com as obras da edificação da Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados (Fafen) em Três Lagoas, mas não houve resultado satisfatório.

Após decidirem pela liberação do tráfego na rodovia, que teve congestionamento de cerca de seis quilômetros em ambos os lados (SP e MS), os empresários resolveram marcar uma reunião, às 17h, na Associação Comercial e Industrial de Três Lagoas (ACITL), para averiguar a possibilidade de outro protesto, com paralisação de tráfego de veículos, em outro trecho de rodovia.

Correio do Estado