- Destaque Três Lagoas

Saúde confirma primeira morte por Dengue em Três Lagoas O paciente de 40 anos residia no bairro Nossa Senhora das Graças e faleceu dia 29 de abril

A Prefeitura de Três Lagoas, por meio da Secretaria Municipal de Saúde confirma o primeiro óbito de Dengue. Trata-se do paciente C. P. S. de 40 anos, que residia no bairro Nossa Senhora das Graças. O paciente apresentou os sintomas da Dengue em março e deu entrada no Hospital Nossa Senhora Auxiliadora no dia 21 de abril, onde ficou internado durante oito dias vindo a falecer no dia 29 de abril.

 INVESTIGAÇÃO

No momento da suspeita de dengue, o Setor de Vigilância Epidemiológica informou o endereço do paciente para o Setor de Endemias, onde fez o trabalho de área com visita domiciliar e borrifação. Esse procedimento é feito em todos os locais onde sejam identificados casos suspeitos da doença no Município.

No caso de óbito, a equipe da Vigilância Epidemiológica também investiga o prontuário hospitalar, entrevista a família do paciente, providencia o transporte do exame do mesmo para Campo Grande para que o Laboratório Estadual de Mato Grosso do Sul (LACEN) dê o resultado final, confirmando ou não, o óbito do paciente por Dengue.

 CASOS

De acordo com o Departamento de Vigilância Epidemiológica, até a semana 19 (compreendido entre os dias 10 a 16 de maio), em Três Lagoas obteve 1406 casos notificados. Deste total, 441 foram considerados positivos e 184 negativos. O mês que houve maior número de casos notificados foi em abril, com 583, enquanto maio até o momento foram 149.

COMBATE

A Secretaria Municipal de Saúde reforça o pedido para que a população colabore eliminando os focos, onde possa acumular água e são propícios para a criação do mosquito transmissor da doença.

Para isso, o recomendável é não deixar acumular água em latas, embalagens, copos plásticos, tampinhas de refrigerantes, pneus velhos, vasinhos de plantas, jarros de flores, garrafas, caixas d’água, tambores, latões, cisternas, sacos plásticos, lixeiras e entre ouros.

O Setor de Educação em Saúde tem orientado constantemente toda população e, em especial, os estudantes sobre as maneiras de evitar o acúmulo de água, o que causa a propagação do mosquito. E o Setor de Endemias junto com os agentes, realizam os trabalhos de visita domiciliares, na verificação de algum possível foco de dengue, o trabalho de borrifação e fumacê para que a incidência de mosquitos diminua.

O trabalho tem sido reforçado também pelos agentes comunitários que auxiliam nas orientações e também no recebimento de denúncias de casas com possíveis focos de Dengue.

Patrícia Acunha

Assessoria de Comunicação

Comente via Facebook

comentários