- Destaque - Destaque Principal Economia Três Lagoas

COM RECEITA RECORDE DE R$ 2,3 BILHÕES, FIBRIA ENCERRA SEGUNDO TRIMESTRE COM EBITDA TAMBÉM RECORDE DE R$ 1,2 BILHÃO E COM ALAVANCAGEM DE 1,95x, A MENOR DE SUA HISTÓRIA

Receita líquida soma R$ 8,1 bilhões em 12 meses, atingindo novo recorde;

  • Dívida líquida cai para US$ 2,642 bilhões, menor nível desde a criação da Fibria;
  • Variação do dólar impacta positivamente os resultados operacionais e financeiros da companhia, que registra lucro de R$ 614 milhões no período;
  • Empresa paga R$ 149 milhões em dividendos aos acionistas.

A valorização do dólar médio e a continuidade de uma demanda positiva por celulose ao longo do segundo trimestre de 2015, que permitiu novo anúncio de aumento para junho de US$ 20 por tonelada no preço da fibra para todas as regiões, fizeram com que a Fibria atingisse novos recordes em seus resultados encerrados no período. A companhia registrou receita líquida recorde de R$ 2,309 bilhões, com crescimento de 36% na comparação com o segundo trimestre de 2014 e de 16% em relação ao trimestre anterior. No acumulado de 12 meses até o fim de junho, a receita líquida da companhia somou R$ 8,054 bilhões, montante também recorde para um período de 12 meses em toda a história da Fibria.

O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) ajustado também é o maior para um período de 12 meses, acumulando R$ 3,682 bilhões até o fim de junho. Somente no segundo trimestre, o Ebitda ajustado ficou em R$ 1,157 bilhão, 95% superior ao verificado no mesmo intervalo de 2014, batendo outra marca histórica da companhia. Já a margem Ebitda ficou em 50%, com expansão de 15 pontos percentuais sobre o segundo trimestre do ano passado, quando registrou margem de 35%.

“A valorização do dólar médio e a manutenção de uma demanda favorável por celulose no mercado internacional colaboraram para que a Fibria atingisse novos patamares em seus resultados trimestrais. Prova disso são os recordes de receita líquida e Ebitda da companhia não apenas no período de três meses, mas também no acumulado de 12 meses até o fim de junho. Outra boa notícia foi a distribuição, em maio, de R$ 149 milhões em dividendos aos acionistas sobre os resultados obtidos no ano passado, correspondente a 100% do lucro líquido ajustado, dada a forte capacidade de geração de caixa da empresa e seu baixo nível de alavancagem”, afirma o presidente da Fibria, Marcelo Castelli.

A oscilação do câmbio nos últimos meses também contribuiu para que a companhia obtivesse resultado líquido positivo no segundo trimestre. Por ser uma empresa de natureza exportadora, a Fibria tem mais de 90% da dívida contratada em dólar, e o seu resultado líquido sofre efeito direto da variação cambial sobre a dívida. A queda de 3% no dólar de fechamento do segundo trimestre deste ano impactou positivamente a conversão do saldo da dívida da Fibria para reais, colaborando para que a companhia registrasse lucro líquido de R$ 614 milhões no período.

A geração de fluxo de caixa livre foi de R$ 544 milhões no segundo trimestre deste ano (excluindo o pagamento de dividendos e o efeito da postergação de alguns dias no recebimento de R$ 78 milhões em vendas), cerca de 119% superior à verificada no mesmo período de 2014 e 46% maior que a do primeiro trimestre de 2015. Nessa base, em 12 meses a geração de fluxo de caixa livre está acumulada em R$ 1,3 bilhão.

Maior fabricante mundial de celulose de eucalipto, a Fibria produziu no segundo trimestre 1,321 milhão de toneladas de celulose, com crescimento de 4% em relação ao mesmo período do ano passado e aumento de 2% sobre o trimestre anterior. As vendas somaram 1,282 milhão de toneladas, representando o segundo volume mais alto para um segundo trimestre em toda a história da companhia.

A dívida líquida em dólar atingiu seu menor nível desde a criação da Fibria, somando US$ 2,653 bilhões, 13% inferior à do segundo trimestre de 2014. Tal queda, associada à elevação do Ebitda, resultou na redução da alavancagem, medida pela relação entre dívida líquida e Ebitda, para 1,95 vez, em dólar, ficando pela primeira vez na história da Fibria abaixo do patamar de 2 vezes. A dívida bruta da empresa encerrou junho em US$ 2,906 bilhões, 24% inferior a igual trimestre de 2014 e estável em relação ao montante registrado no fim de março.

Acompanhe os destaques dos resultados da Fibria no segundo trimestre nas redes sociais pela hashtag #FIBR3_2T15

Sobre a Fibria

Líder mundial na produção de celulose de eucalipto, a Fibria é uma empresa que procura atender, de forma sustentável, à crescente demanda global por produtos oriundos da floresta. Com capacidade produtiva de 5,3 milhões de toneladas anuais de celulose, a companhia conta com unidades industriais localizadas em Aracruz (ES), Jacareí (SPe Três Lagoas (MS), além de Eunápolis (BA), onde mantém a Veracel em joint-venture com a Stora Enso. Em maio de 2015, a Fibria anunciou a expansão da unidade de Três Lagoas, que terá uma nova linha com capacidade produtiva de 1,75 milhão de toneladas de celulose por ano. A previsão é que a nova fábrica, que terá investimentos de aproximadamente R$ 7,7 bilhões (equivalente a cerca de US$ 2,5 bilhões), comece a operação no quarto trimestre de 2017. A companhia possui 968 mil hectares de florestas, sendo 561 mil hectares de florestas plantadas e 342 mil hectares de áreas de preservação e de conservação ambiental. A celulose produzida pela Fibria é exportada para mais de 40 países.

fibria2