- Destaque Política

Bernal enfrenta resistência com mini-base na Câmara

Ex-aliados buscam independência por liberdade de criticar o progressista

Sem líder e alvo de múltiplas críticas, o prefeito Alcides Bernal (PP) conta com base de apenas quatro vereadores na Câmara Municipal de Campo Grande. O discurso de união, conforme ex-aliados, tem sido limado pela falta de diálogo e postura considerada absolutista.

Na lista de aliados declarados estão Luiza Ribeiro (PPS), Eduardo Cury (PTdoB), Derly dos Reis, o Cazuza (PP) e Roberto Santana, o Betinho (PRB). Todos admitem, no entanto, que falta liderança.

Luiza Ribeiro explicou que, apesar de pequeno, o grupo está alinhado com o “projeto político e de liderança de Bernal”, que tem com principal desafio superar o caos administrativo-financeiro herdado ao reassumir a prefeitura em agosto.

Enquanto Roberto Santana promete “apoio integral”, Eduardo Cury deixou claro que não será “base obtusa” ou, como explica o dicionário, estúpida na votação de projetos enviados pelo Executivo.

Dentre os ex-aliados, que buscam na independência espaço para críticar a atual gestão, os petistas se destacam. Isso porque fizeram parte da administração ao ter secretário indicados para as pastas de Infraestrutura e Assistência Social, além de acumular a liderança na Casa de Leis.

O ex-líder do progressista, Marcos Alex (PT), ressaltou que o diálogo se tornou inexistente, assim como a relação republicana com os vereadores. “Ele não pode ficar torcendo para que vereadores sejam afastados e então fazer a política dele. Precisa de diálogo”.

Por outro lado, Derly dos Reis nega falta de diálogo. Lembra que o vereador licenciado e secretário de Governo e Relações Institucionais, Paulo Pedra (PDT), ainda negocia nos bastidores para compor uma base sólida.

Contudo, para isso se concretizar Bernal terá que deixar de lado a postura de “rei absolutista”, como é encarado nos corredores do Legislativo.

“É preciso maturidade e compromisso com a população. O pessoal esquece que o foco deve ser Campo Grande”, pontuou o ex-secretário de Educação, José Chadid (sem partido).

Correio do Estado